Refletindo o Evangelho – Que somos nós? Caniços ao vento? Ou estamos firmes no Rochedo que salva?

Reflexão do Evangelho do dia 15/12/11 – (Lucas 7,24-30)

Antônio Carlos Santini

Com. Católica Nova Aliança

 

Neste Evangelho, Jesus reflete com o povo acerca da figura de João Batista, seu Precursor. Quando João iniciara sua pregação às margens do Jordão, após uma vida inteira nas solitudes do deserto, logo as multidões se agruparam à sua volta. Como explicar seu poder de atração?

 

Não era, por certo, o seu vulto magro, coberto pela áspera cintura de couro dos antigos profetas – a mesma veste e misericórdia que o Criador tecera para o primeiro casal, antes que os pais perdessem a segurança do Éden. (Cf. Gn 3, 21.) Nem era sua eloqüência, sem palavras e imagens sedutoras, mas reduzida à mensagem seca: “O Reino está próximo. Convertei-vos!”

 

Apesar de tudo, pairava no ar uma sensação de urgência. O vento do deserto arrepiava a pele, o apelo premente fazia vibrar os corações. E lá estava João: um profeta, e mais que um profeta! (Lc 7, 26.) Sua presença impressionava pela força da verdade proferida, sem lembrar em nada os oradores religiosos de seu tempo, perdidos em um cipoal de preceitos e proibições legais.

 

Por isso mesmo, Jesus insiste em contrastar a figura concreta de João com retratos que não lhe cabem: homem vestido de seda… cana agitada pelo vento… Na seda, a moleza da alta classe. No caniço, a volubilidade dos governantes que se adaptaram ao Império Romano e lucravam com a nova ordem das coisas. A cana – ou caniço – não oferece resistência ao vento que sopra: dobra-se, amolda-se, consente. Entre nós, a expressão correspondente é “maria-vai-com-as-outras”. Designa aqueles que seguem a moda, sem opinião própria, sem resistir à modelagem do sistema.

 

Sua filosofia é: “Que é que tem? Todo mundo faz! Está na moda! Os tempos mudaram…” E lá se vão para o lixo os valores dos pais, o exemplo dos avós, a doutrina da Igreja, os mistérios da fé. E aplaudem a propaganda homossexual, a enxurrada de divórcios, a carnificina do aborto, a violência da eutanásia.

 

Ora, desde os primórdios da Igreja, o cristão é aquele que nada rio acima, contra a corrente, sem ceder à pressão do Império, sem divinizar a César, sem aplaudir os tiranos, mesmo ao preço do próprio sangue. A incontável procissão de mártires testemunha esta verdade, a demonstrar alegremente que a fé em Cristo Jesus nos dá a força para enfrentar o exército do Mal.

 

Que somos nós? Caniços ao vento? Ou estamos firmes no Rochedo que salva?

Fonte: http://www.33catolico.com/2011/12/liturgia-diaria-comentada-15122011.html

Anúncios

Sobre Doutrina Católica

O Doutrina Católica é um espaço mantido por fiéis leigos da Santa Igreja Católica. Estamos cansados de tantos ataques externos e tanto desconhecimento também dos próprios católicos, por isso nossa intenção com o blog é divulgar e defender a Igreja Católica. Estamos abertos a discussão e a parcerias, ajude-nos a crescer!
Esse post foi publicado em Evangelho, Lições do Evangelho, Reflexão e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s