Formação – Ficha 2: O Evento “Concílio Vaticano II”

Olá amigos, a paz! Continuamos nossa série de formação com as fichas de estudo disponibilizadas pela Arquidiocese de Campinas. Vamos juntos estudar e aprender um pouco mais sobre o Concílio Vaticano II? Vamos lá! 

In corde Iesu,

Leandro Nascimento

Ficha 2 – História:

 

O EVENTO CONCÍLIO  VATICANO II 

Em 25 de Janeiro de 1959, o beato papa João XXIII (1886-1963) surpreendeu o mundo e toda a Igreja com o anúncio e a convocação do vigésimo primeiro Concílio Ecumênico, conhecido como Vaticano II, porque acreditava-se que seu pontificado seria breve, de transição. Mas, ao contrário do que se pensava, ele convocou o Concílio porque teve a lucidez do momento histórico em que atravessavam a Igreja e o mundo. Ele desejou realizar um Concílio para que a Igreja se atualizasse e instaurasse um diálogo pleno de esperança com a toda  humanidade. Prova isso, a expressão “homens de boa vontade” que ele, constantemente, usou para demonstrar sua abertura para com todos que acreditavam na construção de um mundo melhor.

Desde o momento em que o Papa manifestou a um grupo de cardeais a ideia de realizar um Concílio, pode-se dizer ele começou a ser preparado, embora tenha sido convocado somente em 25 de dezembro de 1961 e iniciado em outubro do ano seguinte. Neste período, foram criadas várias comissões com a finalidade de sugerir temas a serem discutidos.

O evento Concílio Vaticano II teve início em 11 de outubro de 1962 e conclusão em 08 de dezembro de 1965, e foi realizado através de quatro sessões que aconteceram sempre entre os meses de setembro a dezembro desses anos. O beato papa João XXIII  participou apenas da primeira sessão, pois morreu em 3 de junho de 1963.  Paulo VI tornou-se papa em 21 de junho de 1963 e convocou, para setembro do mesmo ano, a segunda sessão, participando também das sessões seguintes e da conclusão do Concílio que definiu 16 documentos,sendo eles, quatro Constituições, nove Decretos e três Declarações.

As Quatro Constituições são: LumenGentium (LG) (21-11-1964) – sobre a natureza da Igreja e sua missão universal. DeiVerbum (DV) (18-11-1965) – sobre a Revelação Divina e de sua transmissão. GaudiumetSpes (GS) (07-12-1965) – sobre a Igreja no mundo de hoje. E SacrosanctumConcilium (SC) (04-12-1963) – sobre a Liturgia e os Sacramentos.

Os Nove Decretos são: UnitatisRedintegratio (UR) (12-11-1964) – sobre o ecumenismo.OrientaliumEcclesiarum (OE) (21-11-1964) – sobre as Igrejas Orientais Católicas.AdGentes (AG) (07-12-1965) – sobre a atividade missionária da Igreja. ChristusDominus(CD) (28-10-1965) – sobre o ministério pastoral dos bispos na Igreja.PresbyterorumOrdinis (PO) (07-12-1965) – sobre o ministério e a função dos sacerdotes.PerfectaeCaritatis (PC) (28-11-1965) – sobre a atualização dos religiosos e Institutos de Vida Consagrada. OptatamTotius (OT) (28-11-1965) – sobre a formação presbiteral.ApostolicamActuositatem (AA) (18-11-1965) – sobre os leigos. E InterMirifica (IM) (04-12-1963) sobre os meios de comunicação social.

As Três Declarações são: GravissimumEducationis (GE) (28-11-1965) – sobre a educação cristã. DignitatisHumanae (DH) (07-12-1965) – sobre a liberdade religiosa e sobre os direitos da pessoa humana. NostraAetate (NE) (28-10-1965) – sobre as relações da Igreja com as religiões não cristãs.

O Concílio teve como linhas mestras a atualização (Aggiornamento), o diálogo (comunhão – corresponsabilidade, participação) e a renovação (diaconia, serviço) como um novo modo de ser presença no mundo. Ele buscou promover o diálogo e a unidade de todos os cristãos, e a paz no mundo, além da valorização dos leigos. O seu ponto referencial foi Jesus Cristo, Profeta, Sacerdote e Pastor, que serviu como modelo de ação pastoral e evangelizadora da Igreja no mundo. Por desejo expresso do beato papa João XXIII foram convidadas as Igrejas separadas de Roma: Anglicana, Igrejas Alemãs, Escocesas e Orientais, das quais muitas responderam positivamente. Além disso, ele contou com a presença de alguns cristãos leigos como observadores e, sem sombra de dúvidas, foi o primeiro Concílio a receber tão numerosa participação de Igrejas e seus representantes, além dos leigos.

Sem mudar as verdades da fé, o Concílio promoveu uma renovação da Igreja. Convidou os fiéis a  olharem para o cristianismo a partir da sua origem, e a deixarem de lado práticas menos importantes adquiridas ao longo de uma caminhada de vinte séculos. O Concílio resgatou a centralidade cristológica da fé, especialmente  na Liturgia, para que o sentido pascal se tornasse mais evidente, e incentivou que as celebrações fossem  mais voltadas para a realidade do povo, mais participativa e comunitária. Porém, o mais importante foi a noção de Igreja apresentada como Povo de Deus, isto é, a Igreja formada pelo conjunto dos batizados e não somente pelo clero. Recupera-se o sentido do ministério eclesial como serviço à comunidade que deve ser exercido através do diálogo e da valorização de  todos os seus membros.

Idealizou-se uma Igreja menos jurídica e menos moralista, para ser mais profética e mais centrada na Bíblia que passou a ser mais lida, mais estudada, mais conhecida, destacando-se como fonte da pregação e da vivência cristã. Além  disso, valorizou-se o sentido do serviço e da corresponsabilidade.

O Concílio Vaticano II foi sem dúvida, para a Igreja Católica, o maior acontecimento do século XX, inaugurando um novo período de sua milenar História. Ele emergiu como o divisor de águas, fundamental para a Igreja, originando um processo de abertura, renovação e participação que foi determinante para as dioceses do mundo todo. Especialmente, na América Latina o episcopado conseguiu, ao longo desses cinquenta anos, criar um magistério próprio, manifestado nas quatro últimas Conferências do Episcopado Latino Americano (CELAM), sendo elas: Conferência de Medellín (1968), Conferência de Puebla (1978),Conferência de Santo Domingo (1992) e Conferência de Aparecida (2007). Como consequência do Vaticano II, a Igreja da América Latina  ganhou uma fisionomia própria a partir da Conferência de Medellín, que buscou interpretar o Concílio para a Igreja da América Latina, dando um salto qualitativo pela explícita opção pelos pobres e lançando sementes de uma Igreja mais popular, como as Comunidades Eclesiais de Base (CEB’s).

As CEB’s revelam uma Igreja mais comunitária, mais embasada na Bíblia, através  dos círculos Bíblicos que multiplicam a experiência de pequenas células no interior da Igreja. Muitos destes grupos passam a se dedicar às Pastorais Sociais, aos movimentos de luta e às reivindicações populares. Com tudo isso, a Igreja da América Latina definiu uma identidade eclesial que é fruto da concepção de Igreja como Povo de Deus.

A interpretação libertadora do Concílio Vaticano II fez história na América Latina em termos de Teologia, de estruturas de Igreja e de práticas pastorais. Surgiu, neste momento, uma Teologia Latino-Americana que recebeu o nome Teologia da Libertação porque desejou dialogar com outras instituições e pensadores do campo social e político que, igualmente, desejavam contribuir para a libertação de todas as injustiças, e propunha que o pobre assumisse o ser sujeito da história  para mudar a sociedade.

Diz-se que o Vaticano II abriu as portas da Igreja para o mundo e permitiu que o Espírito Santo renovasse todo o seu interior pelo diálogo e pelo acolhimento do mundo moderno. Um Espírito de renovação e de acolhimento, que continua a soprar ao seu Povo, como uma brisa por toda a Igreja, dentro e fora de suas portas, marcando a vida e a vocação missionária de toda a Santa Igreja,  formada de homens Santos e Pecadores, mas que busca incansavelmente, a Santidade e o Reino de Deus.

Assim, os documentos que compõem o Vaticano II nos falam do Espírito Santo que é livre e sopra onde quer,  razão máxima da importância desse evento histórico do século XX, que continua a fazer história no século XXI.  Nesses cinquenta anos de suas propostas e disposições, ainda se busca a concretização e o justo entendimento em toda a Igreja, pois o Espírito Santo não para de soprar até que toda a Obra do Pai da Misericórdia seja completada. Daí a suma importância do estudo e entendimento dos Documentos do Vaticano II por  todo o Povo de Deus.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

COMBLIN, J. Um novo amanhecer da Igreja? Petrópolis: Vozes, 2002.

CECHINATO, L. Os 20 Séculos de Caminhada da Igreja. Petrópolis, Vozes, 1996.

COMPENDIO DO VATICANO II Constituições, Decretos, Declarações. Rio de Janeiro: Vozes, ed. 4ª 1968.

LORSCHEIDER A., LIBÂNIO J. B., COMBLIN J., VIGIL J. M., BEOZZO J. O. Vaticano II 40 Anos Depois. São Paulo: Paulus, 2005.

MATOS, H. C. J. Caminhando pela História da Igreja. Belo Horizonte: O Lutador, V. III 1996.

________, ANTONIAZZI A. Cristianismo 2000 Anos de Caminhada. São Paulo: Paulinas, ed. 3ª, 1996.

Referências Eletrônicas.

Ney de Souza,Contexto  e  Desenvolvimento Histórico do Concílio Vaticano II

João Batista Libanio:  A memória do Concílio VaticanoII

Para refletir:

  1. O que foi o Concílio Vaticano II e qual seu significado para a Igreja em nossos dias?
  2. Como a Igreja é chamada a dialogar com o mundo de hoje?
  3. Como anunciar e viver o Evangelho para no mundo de hoje?
  4. O Vaticano II marcou e continua a marcar a vida eclesial?
  5. Como a Igreja pode ser presença divina e salvífica num mundo de mudança constante?

Fonte: Arquidiocese de Campinas

Sobre Doutrina Católica

O Doutrina Católica é um espaço mantido por fiéis leigos da Santa Igreja Católica. Estamos cansados de tantos ataques externos e tanto desconhecimento também dos próprios católicos, por isso nossa intenção com o blog é divulgar e defender a Igreja Católica. Estamos abertos a discussão e a parcerias, ajude-nos a crescer!
Esse post foi publicado em Aprendendo, Desenvolvimento da Igreja, Formação, História, Reflexão e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Formação – Ficha 2: O Evento “Concílio Vaticano II”

  1. Murilo Esteves Frizanco disse:

    Bom dia leandro, fiquei com uma dúvida sobre a Teologia da Libertação. Ela foi condenada pelo papa e na sua reunião coms os bispos da CNBB ele reforçou isto.

    Fiquei um pouco confuso sobre se é correto chamar a Teologia da Libertação como fruto do Concílio Vaticano II uma vez que foi condenada pelo sucessor de pedro.

    Poderia esclarecer para mim? Obrigado.

    Segue link com a notícia sobre o Sumo Potífice condenando a mesma.
    http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=274901

    • Olá Murilo, a paz!

      É bem verdade que o Santo Padre condenou alguns aspectos da Teologia da Libertação. Vejamos um trecho do discurso do Papa a alguns bispos brasileiros :

      “[…] Neste sentido, amados Irmãos, vale a pena lembrar que em agosto passado, completou 25 anos a Instrução Libertatis nuntius da Congregação da Doutrina da Fé, sobre alguns aspectos da teologia da libertação, nela sublinhando o perigo que comportava a assunção acrítica, feita por alguns teólogos de teses e metodologias provenientes do marxismo. As suas seqüelas mais ou menos visíveis feitas de rebelião, divisão, dissenso, ofensa, anarquia fazem-se sentir ainda, criando nas vossas comunidades diocesanas grande sofrimento e grave perda de forças vivas. Suplico a quantos de algum modo se sentiram atraídos, envolvidos e atingidos no seu íntimo por certos princípios enganadores da teologia da libertação, que se confrontem novamente com a referida Instrução, acolhendo a luz benigna que a mesma oferece de mão estendida; a todos recordo que «a regra suprema da fé [da Igreja] provém efetivamente da unidade que o Espírito estabeleceu entre a Sagrada Tradição, a Sagrada Escritura e o Magistério da Igreja, numa reciprocidade tal que os três não podem subsistir de maneira independente» (João Paulo II, Enc. Fides et ratio, 55). Que, no âmbito dos entes e comunidades eclesiais, o perdão oferecido e acolhido em nome e por amor da Santíssima Trindade, que adoramos em nossos corações, ponha fim à tribulação da querida Igreja que peregrina nas Terras de Santa Cruz”.

      Desta forma, orientados pelas palavras de Bento XVI entendemos que a TL pode sim desviar os cristãos, uma vez que provoca um crescente afastamento da espiritualidade e faz as CEB’s adotarem uma postura extremamente “politizada”, esquecendo-se por vezes da espiritualidade. No entanto o que a Ficha de Estudos disponibilizada pela Arquidiocese de Campinas, nos traz a seguinte afirmação:

      “A interpretação libertadora do Concílio Vaticano II fez história na América Latina em termos de Teologia, de estruturas de Igreja e de práticas pastorais. Surgiu, neste momento, uma Teologia Latino-Americana que recebeu o nome Teologia da Libertação porque desejou dialogar com outras instituições e pensadores do campo social e político que, igualmente, desejavam contribuir para a libertação de todas as injustiças, e propunha que o pobre assumisse o ser sujeito da história para mudar a sociedade”.

      Faz-se necessário entendermos que a intenção neste roteiro de estudos é histórica, no sentido de conhecermos que a partir do evento “Concílio Vaticano II” surgiram algumas posturas que antes não existiam.
      A questão da Teologia da Libertação é um tanto quanto complexa e merece ser tratada em um artigo próprio. Por hora, limito-me a seguir as orientações do Santo Padre e a Doutrina de sempre transmitida pela Igreja, sendo fiel ao que orienta o sucessor de Pedro e o Vaticano, ainda que alguns membros do clero não o sejam.

      Espero ter ajudado!

      In corde Iesu,
      Leandro Nascimento
      Blog Doutrina Católica.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s