Palavras do Papa: O perdão não nega o erro nem a participação no amor de Deus

O Papa Bento XVI explicou que “o perdão não é uma negação do erro mas uma participação na cura e no amor transformador de Deus que reconcilia e restaura”.

Assim indicou o Papa em uma mensagem dirigida à presidente da Pontifícia Academia para as Ciências Sociais, a Prof. Mary Ann Glendon, por ocasião da assembléia plenária deste dicastério que se reuniu em Roma para estudar a contribuição da encíclica “Pacem in Terris”, do Papa João XXIII, à doutrina social da Igreja no 50º aniversário de sua publicação (11 de abril de 1963).

O Papa escreve que em pleno apogeu da Guerra Fria e quando a opinião pública expunha a questão da proliferação de armas de destruição massivas, o Papa João XXIII escreveu uma “carta aberta ao mundo”; um “premente chamado para promover em todos os âmbitos sociais, nacionais e internacionais a causa da paz e a justiça”.

O Santo Padre disse logo que “embora o cenário político mundial tenha mudado significativamente no último meio século a visão de João XXIII ainda tem muito que ensinar-nos agora, quando enfrentamos os novos desafios para a paz e a justiça na época pós-guerra Fria, em meio à contínua proliferação de armas”.

A Pacem in Terris é um forte apoio para participar de um “diálogo criativo entre a Igreja e o mundo, entre crentes e não crentes, como o Concílio Vaticano II se propôs a promover”.

Bento XVI assinala que a encíclica “dá uma visão completamente cristã do lugar do homem no cosmos, confiando em que ao fazê-lo, ofereça uma mensagem de esperança a um mundo que está faminto dela. Trata-se de uma mensagem que pode chegar às pessoas de todas as crenças e de nenhuma, porque sua verdade está ao alcance de todos”.

“Nesse mesmo espírito, depois dos atentados terroristas que abalaram o mundo em setembro de 2001, o beato João Paulo II insistiu em que não pode haver “paz sem justiça, nem justiça sem perdão”.

O Pontífice indicou logo em seguida que “a noção de perdão deve abrir caminho para si no discurso internacional sobre a resolução de conflitos, para transformar a linguagem estéril da recriminação mútua que não leva a nenhuma parte. Como a criatura humana está feita a imagem de Deus, um Deus de justiça que é ‘rico em misericórdia’, logo estas qualidades devem refletir-se na resolução dos assuntos humanos”.

“O perdão não é uma negação do erro e sim uma participação na cura e no amor transformador de Deus que reconcilia e restaura”.

“Os erros históricos e as injustiças –assegura o Papa– só podem ser superadas se os homens e as mulheres se inspiram em uma mensagem de recuperação e esperança; uma mensagem que assinala um caminho para sair do atoleiro no qual, tão freqüentemente as pessoas ficam enterradas e as nações, ficam incapazes de sair do círculo vicioso da violência”.

“Desde 1963, alguns dos conflitos que então pareciam insolúveis passaram à história. Com essa perspectiva, lutemos pela paz e a justiça no mundo de hoje, confiando em que nossa busca comum da ordem estabelecida por Deus, em um mundo no qual todo ser humano goze do respeito devido, possa dar e dará frutos”, conclui.

Sobre Doutrina Católica

O Doutrina Católica é um espaço mantido por fiéis leigos da Santa Igreja Católica. Estamos cansados de tantos ataques externos e tanto desconhecimento também dos próprios católicos, por isso nossa intenção com o blog é divulgar e defender a Igreja Católica. Estamos abertos a discussão e a parcerias, ajude-nos a crescer!
Esse post foi publicado em Palavra do Papa, Reflexão e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s